Descobrindo a Asia.

O continente asiático guarda ao longo de seu território paisagens incríveis, palácios deslumbrantes e monumentos com uma arquitetura impressionante. Abaixo está uma lista com os mais belos e mais importantes pontos visitados do continente. Cuidado para não sonharem acordados... kk

-Taj Mahal (Agra-Índia)


Considerado como uma das mais importantes construções da História da Humanidade, o Taj Mahal tem por de trás de suas edificações uma impressionante história. Em memória de sua esposa favorita,Aryumand Banu Begam, que morreu após dar a luz ao décimo quarto filho do casal, o imperador mongol Shah Jahan ordenou a construção de um enorme mausoléu que deveria abrigar o corpo de sua amada e, ao mesmo tempo, simbolizar o amor do rei à sua falecida esposa. A obra durou 22 anos e deslocou mais de 20 mil trabalhadores. Está aí nosso primeiro e deslumbrante ponto turístico, que tem como significado do nome a “coroa do lugar”.

-A Muralha da China (China)


A Muralha da China, também denominada de Grande Muralha, corresponde a uma intrigante construção arquitetônica edificada na época da China Imperial com finalidade militar. A construção da Muralha foi realizada no decorrer de dois milênios (Oh my God!!) e hoje representa um dos principais símbolos da China. A imensa construção arquitetônica possui aproximadamente 8.851,8 quilômetros de extensão, 7,5 metros de altura e 3,75 metros de largura e é considerada como uma das mais fantásticas obras construídas pelo homem, reconhecida ainda como uma das sete maravilhas do mundo.

-A Torre de Tóquio (Tóquio-Japão)


Ela se parece mesmo com a Torre Eiffel, mas qualquer guia turístico do Japão vai destacar uma grande diferença: a torre japonesa é 9 metros maior do que a francesa, é uma das maiores estruturas da cidade e proporciona uma bela vista de Tóquio.
Construída em 1958 para transmitir o sinal das TVs japonesas, a Torre de Tóquio tem 336 metros. Do último piso é possível ter uma noção do tamanho de Tóquio. No horizonte só há prédios: uma megalópole que vai além do que a vista alcança.

-Ilha de Bali (Indonésia)


A ilha abriga a quase totalidade da pequena população hindu da Indonésia e é o principal destino turístico do país. É conhecida pelas suas manifestações culturais, como a dança, a escultura, a pintura, o trabalho em couro e metais e a música.
Faz parte de um arquipélago com quinhentas e quarenta e sete ilhas distribuídas em nove grandes grupos.


-Cidade Proibida (Beijing-China)


A Cidade Proibida é o nome popular dado ao Palácio Imperial da China, construído por Yunglo (terceiro imperador da Dinastia Ming). Foi a capital do império chinês por exatamente 500 anos, e se mantém viva até os dias de hoje no centro de Pequim.
Este conjunto arquitetônico com 74 hectares envolveu mais de 200.000 trabalhadores em sua construção e foi a residência dos imperadores até o ano de 1922, com a queda do sistema imperial.
O título de Cidade Proibida surgiu pelo fato de somente o imperador, sua família e empregados especiais terem a permissão para entrar no conjunto de prédios do palácio. Trata-se de uma cidade dentro de outra cidade.

 -Templos de Bagan em Burma (Myanmar)


As ruínas de Bagan cobrem uma área de 16 milhas quadradas. A maioria dos seus edifícios foram construídos do século XI ao século XIII, durante o tempo em que Bagan era a capital do Primeiro Império birmanês.
Existem 2.217 pagodes em Bagan, em contraste com mais de 5.000 durante a altura do seu centro político. Após o sismo do ano de 1975, a fim de preservar os templos, apenas bicicletas e carruagens puxadas por cavalos, estão autorizados a transitar entre os pagodes.

- Banaue Rice Terraces (Filipinas)


 Esta antiga paisagem cultural ilustra lindamente a harmonia com a natureza humana e serve como um exemplo de agricultura sustentável, com técnicas tradicionais.
Os terraços de arroz que seguem os contornos naturais das montanhas realçam a beleza acidentada da região natural. Eles também criam um relacionamento harmônico e sustentável entre os seres humanos e o meio ambiente. Esses campos, e os conhecimentos para cultivar e sustentá-los, foram passados ??de geração em geração durante séculos.

-Palácio Potala (Tibet)


Colossal é uma boa palavra para descrever o Palácio Potala, no Tibet. Serviu de local de moradia para diversas gerações do Dalai Lama, maior representante religioso para o país, até que o 14º Dalai teve que fugir para a Índia, após a dominação chinesa. Atualmente, o local é um grande, ou melhor, imenso museu.
O prédio tem 400 metros de largura e 350 metros de altura, e está localizado 170 metros acima do chão. 

-Templo Borobudur (Java-Indonésia)


Borobudur é o maior monumento budista do mundo. Situa-se na parte central da ilha de Java, aproximadamente a 40 km ao noroeste da cidade de YogyakartaAtualmente é a atração turística mais popular da Indonésia. Foi construído no século VIII, originalmente como um templo hindu. Posteriormente sua construção foi continuada como um stupa budista. Com o advento do islamismo à ilha de Java, foi abandonado e envolvido, com o passar dos anos, pela selva até a sua redescoberta em 1814 por colonos ingleses. A Unesco promoveu um programa para sua reconstrução e recuperação que findou em 1983.

-Jerusalém (Israel)


A cidade sagrada de Jerusalém é o centro espiritual das três principais religiões monoteístas: judaísmo, islamismo e cristianismo. Possui numerosos pontos históricos e vários santuários. Na imagem, destaca-se o famoso "Muro das Lamentações".

 -kinkaju-ji (Quioto-Japão)


O Kinkaku-ji é o nome dado ao templo Rokuon-ji, que fica rodeado pelo Ky?ko-chi (lago espelhado). Todo o pavilhão, exceto o rés-de-chão (andar térreo), está coberto de folha de ouro puro e no telhado do pavilhão está uma fenghuang dourada (fénix chinesa).

-Monte Everest


Trata-se do pico montanhoso mais elevado do mundo, e está situado na cordilheira do Himalaya, dentro do setor meridional da Ásia central correspondente à fronteira entre o Nepal e o Tibet. 
 O cume da montanha está localizado a exatamente 8850 m de altitude.
O nome inglês da montanha é uma homenagem a sir. George Everest, diretor, entre 1830 e 1843, da grande medição trigonométrica da Índia. Foi nessa época que, pela primeira vez, a posição e a altura da montanha foram registradas.