Mãe de Cazuza elogia ator Emílio Dantas: ‘Vi meu filho renascendo’

Em visita ao Domingão do Faustão, Emílio Dantas, 29 anos, estrela de Cazuza, Pro dia nascer feliz – O Musical.

 O ator entrou no palco cantando “Bete Balanço” e foi aplaudido de pé. Após o canção, o ator revelou que ficou surpreso com o convite do diretor João Fonseca para fazer um teste para o papel: “Achei que fosse uma loucura porque fisicamente eu não tenho nada a ver com ele”.

Grandes amigos e familiares de Cazuza gravaram depoimentos emocionados, relembrando curiosidades da vida do roqueiro e elogiando a performance de Emílio Dantas. O último deles foi o mais emocionante: o de Lucinha Araújo, a mãe de Cazuza. Ela contou que, já adulto, o filho tinha a chave da casa dela e que costumava chegar no meio da noite, avisando de longe “se alguém estiver transando, para que eu estou chegando”.

Ela reforçou que, além de ter sido um grande compositor, o filho ajudou a diminuir o preconceito contra os soropositivos ao assumir publicamente que era HIV positivo. No fim, se declarou para Emílio Dantas: “Eu vou lá toda a semana para curtir tudo aquilo, para ver meu filho renascendo.”

E teve muito mais! “Ele era um espírito evoluído” disse a cantora Sandra de Sá, em seu depoimento. Ela relembrou o episódio em que Cazuza não foi ao aniversário do filho dela, de quem era padrinho. “Ele só apareceu no dia seguinte, dizendo assim: ‘eu te prometi que o meu afilhado só ia me ver sóbrio’”, contou.

Ney Matogrosso, amigo e ex-namorado de Cazuza, contou como os dois se conheceram. “Eu estava na minha casa com uma amiga e ela falou: ‘eu posso chamar o Cazuza? Porque ele esta lá embaixo’. Quando ele chegou, me perguntou se podia me dar um beijo. E eu disse que sim, um beijo era a coisa mais normal. E aí ele me beijou e a história começou. Uma historia intensíssima de três meses” relembrou Ney.

Léo Jaime recordou como foi que ele apresentou Cazuza aos meninos do Barão Vermelho. Contou como, nos tempos difíceis do início da carreira, ele e Cazuza comemoraram o aniversário de 21 anos dele com mais três amigos e uma garrafa de cachaça, para fazer caipirinhas. “Um dia um amigo me convidou para cantar em uma banda chamada Barão Vermelho, mas eu já cantava em outras duas bandas. Quando eu ouvi o som dos caras, eu vi que ia ter tudo a ver com o Cazuza. E aí se formou uma das maiores duplas de compositores do Brasil, Cazuza e Roberto Frejat” contou Léo Jaime, pedindo para ouvir “Ideologia“.